Pular para o conteúdo principal

Os candidatos, o Twitter e o eleitor

O Twitter realmente tem sido um espaço interessante para a avaliação de discursos dos candidatos e de seus apoiadores nestas eleições. Cada um tenta vender a ideia de que merece o voto do eleitor – ou ainda mais, tenta vender a ideia de que o seu concorrente não merece a confiança dos brasileiros. São criados diariamente uma série de movimentos contra candidatos, além de perfis falsos que descambam para os ataques pessoais, perdendo assim qualquer credibilidade, embora encontre ressonância entre aqueles que pensam da mesma forma.

O microblog é também a rede social do momento. Os candidatos estão no Orkut e no Facebook, mas é no Twitter onde eles concentram esforços para alcançar a simpatia dos internautas/eleitores. Além disso, é do Twitter que saem declarações polêmicas que ganham as páginas dos sites de notícias e os jornais impressos.
Mas enxergo na participação dos políticos no twitter uma peculiaridade: eles pouco ou nada falam de projetos. Muitos transformaram o microblog apenas numa agenda do dia. Publicam para que bairro ou município irão, e ao final do dia retornam a rede para postar agradecimentos. Desnecessário.

Outros estão se utilizando apenas do Twitter para desferir críticas ou fazer análises (equivocadas) da conjuntura política. Posso afirmar sem medo de errar que até mentem.

Há ainda aqueles assessores/funcionários/aliados/eleitores mais inflamados que se utilizam do Twitter da pior maneira possível: partem para a baixaria, sem o mínimo de respeito aos seus próprios candidatos. Tão inconseqüentes. Eu mesmo já ouvi de mais de uma pessoa a afirmação de que não votaria em determinado candidato por conta daqueles que o cercam.

Diante da confusa – e em muitos casos incorreta – utilização da web para a realização de campanha eleitoral, me resta um consolo: o eleitor que está na internet é mais atento do que os demais e mais crítico também. E com certeza não irá cair nas balelas dos que pensam estar enganando, dos que pensam estar conseguindo ludibriar o (atenado) eleitor/internauta.

Comentários

Eloy Vieira disse…
Rapaz, o post resume tudo q eu tenho visto nos últimos tempos nesse mundo do twitter. é cada #fail desses políticos...
Rodrigo Rocha disse…
De todas as suas boas observações, a que mais me incomoda é o fato de eles não usarem o twitter, especialmente, para falar sobre o que defendem enquanto projeto de governo...
Lucas Peixoto disse…
O twitter, verdadeiramente, aproximou os políticos dos eleitores, ou pseudos-eleitores. Alguns escrevem besteiras, outros são humanistas, ou barraqueiros...

Mas a disputa eleitoral pela internet ainda está verde. Em 2014, principalmente, vai ser muito mais eficiente.
Diógenes disse…
É só uma amostra do quão preocupados eles estão com a importância que as mídias sociais adquiriram e com o que possa ser interessante ao leitor. Ótimas observações.

Ah, e o que achou da entrevista do Serra no JN de hoje? Rapaz...não achei que o casal Bonner seria tão previsível.

Abs.

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…