Pular para o conteúdo principal

“A campanha já está nas ruas”


A frase acima que intitula este post foi dita pelo ministro Arnaldo Versiani ontem no ‘Encontro Imprensa e Eleições’, promovido pela Associação Nacional de Jornais (ANJ). Ele é o responsável por relatar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) as regras das eleições deste ano e considera natural que a campanha ganhe mais espaço durante este período pré-eleitoral.
“A verdade é que a campanha já está nas ruas, até com a aparição de pré-candidatos. Eu, sinceramente, sou do ponto de vista de que a propaganda deveria ser permitida, e até ser estendida. O período eleitoral propriamente dito, após 5 de julho, talvez seja muito curto”, disse Versiani.

Ainda assim, o ministro ressalta que a Justiça deve coibir abusos, mas fez uma afirmação muito interessante e correta sobre a veiculação de inserções dos candidatos na mídia: “Quanto mais propaganda, quanto mais a gente pudesse conhecer os candidatos, melhor seria”. Vale lembrar, no entanto, que o ministro votou em março pela aplicação de multa de R$ 10 mil ao presidente Lula por propaganda antecipada de Dilma Rousseff (PT).

Sobre a participação da imprensa, Versiani disse que é recomendável que os jornais dêem conhecimento aos leitores, em editoriais, se apóiam algum dos candidatos. Tanto Versiani quanto a vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, disseram ser contra a punição de órgãos da mídia por dar maior espaço a candidatos cuja posição ‘exerça um poder maior de atração sobre a imprensa’.

Concordo que a esta altura do campeonato os pré-candidatos poderiam já estar mais livres correndo contra o tempo para apresentar propostas, fazer campanha e buscar votos. A lei eleitoral atual é muito dura e não permite que os candidatos não assumam nem mesmo essa condição. Precisam se manter como pré-candidatos, numa espécie de pré-seleção para o pleito que se inicia só em julho.

Também concordo que a imprensa deva dar mais espaço aos candidatos que possuem maior densidade eleitoral, que realmente possuem um discurso coerente e estão aptos a discutir um futuro digno para o país, e que, de fato, estão no páreo na disputa pelo voto do eleitor e com condições de vencer. Acredito que isso já ocorre e também vejo que em 2010, a liberdade oferecida pela internet dará aos eleitores maiores condições de ter acesso a opiniões diversas e de conhecer e questionar os candidatos e suas propostas.

Leia mais:
Campanha já começou, diz ministro do TSE

Acompanhe
Twitter da Dilma
Twitter do José Serra
Twitter da Marina Silva

Comentários

Eloy Vieira disse…
ué.. dar mais espaço aos que tem mais chances de se elegerem? isso já não é feito? e os partidos menores, como é o caso de Marina Silva, merecem menos espaço na mídia tradicional só pq são pequenos?
Já é feito mas os veículos insistem em dizer que não. No caso específico da Marina Silva eu acredito que ela deva ter espaço pq ela tem algo a falar, mas outras figuras que não pontuam nem 1 ou 2 pontos nas pesquisas, devem ficar de fora, pois a quase absoluta totalidade destes possui um discurso utópico demais e pouco prático. Pra que perder tempo com eles?
Eloy Vieira disse…
Certo, válido seu ponto de vista, mas isso seria uma coisa quase anti-democrático (sou quase dramático né?), não é dever do jornalismo e da democracia mostrar todas as vertentes de forma igualitária?
Acho que deve mostrar sim desde que sejam coerentes e que sigam uma linha lógica. Certos candidatos têm umas ideias muito fora da realidade. Com esses acho que não devemos perder tempo. Devem sim ter espaço, mas algo bem mais modesto. Precisa passar por um filtro. É característica do jornalismo o critério da relevância.
Eloy Vieira disse…
eu me senti o advogado do diabo aqui kkkkkkkk, pq eu concordo com o q vc disse, esse negocio do filtro... só que seu argumento não ficou muito claro pra mim... ainda acho q o jornalismo e a democracia entram em choque aki na minha cabeça #viajei

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…