Pular para o conteúdo principal

Conscientização muda caminho do lixo

Coleta seletiva é ponto pacífico para a melhoria da qualidade de vida. Como acelerar o processo na capital sergipana?


Que destino você costuma dar às garrafas de refrigerante, folhas de caderno e latinhas de cerveja que utiliza? Descarta-os - como a maior parte da população, que não encontra nesse material alguma outra serventia aparente – ou reaproveita esses resíduos, utilizando-os para outros fins? Em Aracaju, são produzidos, em média, 11 mil toneladas de lixo por mês. Desse montante, 99,5% são levados para aterros sanitários e lixões, sem passar por tratamento ou reciclagem. Contudo, através da coleta seletiva, o lixo pode ser reaproveitado, reduzindo a poluição e o acúmulo de detritos na natureza.

“A coleta seletiva de lixo é uma tecnologia gerencial prática. Com ela, o lixo deixa de ser um agente de degradação do meio ambiente”, explica o professor de Ecologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Antonio Carlos Carvalho Barreto. Segundo ele, a principal aliada dessa tecnologia é a conscientização da sociedade, pois é a partir daí que a população vai entender que há uma alternativa ecologicamente correta, capaz de reaproveitar os resíduos sólidos normalmente atirados em aterros sanitários ou lixões.

E como funciona a coleta seletiva? É simples! Basta tão somente que as pessoas realizem a separação doméstica do lixo em dois grupos distintos: recicláveis (papel, plástico, vidro e metal) e não recicláveis (restos de comida, cascas de frutas e legumes, guardanapos e papel higiênico). Feito isso, é só aguardar que o caminhão da Coleta Seletiva passe pelo bairro e recolha o material.

Em Aracaju, 20 bairros participam da coleta seletiva. José Reinaldo Souza, da Coordenadoria de Aterro, Balanço e Remoção de Entulho da Empresa Municipal de Serviços Urbanos de Aracaju (Emsurb), diz que para um bairro ser incluído no percurso do caminhão que realiza esse serviço diferenciado, a comunidade precisa demonstrar interesse. “O grau de participação da população é o pré-requisito, para que o bairro seja incluído na coleta”, destaca Souza.

Mas para que isso aconteça a população precisa estar consciente da sua função e disposta a colaborar. E isso precisa começar já entre as crianças. “É mais fácil se trabalhar com as crianças por que elas acabam levando aquilo que aprendem para dentro de casa e com isso os pais acabam se conscientizando”, declara o coordenador da Emsurb.

E esse trabalho de esclarecimento entre meninos e meninas já está ocorrendo na capital sergipana, através da Casa de Papel. O projeto, iniciado em 2002, deu origem à Sociedade Ecoar, uma organização social de interesse público (Osip), localizada na sede da Torre Empreendimentos. Lá, cinco artesãos realizam oficinas de conscientização junto a escolas e empresas. Além disso, os profissionais trabalham na Casa produzindo bolsas, vasos, brindes e materiais de decoração com jornal e papel reciclado, que são expostos e vendidos.

A coordenadora administrativa da Sociedade Ecoar, Priscila Matos, afirma que percebe “o grande interesse das crianças que participam das oficinas, em querer transmitir o que aprenderam para outros”. Ela salienta ainda que é por causa disso que o projeto tem trabalhado maciçamente junto a escolas.

Coleta seletiva em Aracaju

Na capital sergipana, a coleta seletiva foi implantada em 2001, com a criação da Cooperativa dos Agentes Autônomos de Sergipe (Care). A entidade reúne catadores de papel, papelão e materiais reaproveitáveis. Situada no bairro Santa Maria, a Care foi criada a partir de uma mobilização da comunidade, estimulada pelo Ministério Publico Estadual de Sergipe (MPE-SE), preocupado com o destino final do lixo e com a as condições de vida de 42 famílias que residiam em barracos montados no lixão do bairro.

Tudo teve início com o projeto “Lixo e Cidadania”, que visava retirar as crianças que trabalhavam no lixão, através do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) e colocá-las na escola. O projeto, que é uma parceria do Fundo das Nações Unidas Para a Infância (Unicef) com o Governo Federal, encaminhou 200 crianças para instituições de ensino e as famílias desses meninos e meninas passaram a receber uma bolsa por cada filho matriculado.

Contudo, mesmo após o início do projeto, as crianças continuavam trabalhando no lixão para ajudar na renda familiar. Em decorrência disso, por estarem cansadas, dormiam durante as aulas. Ao perceber que isso estava ocorrendo, o MPE entrou em contato com a Care que explicou a realidade das famílias.

A partir daí, o MPE conseguiu junto ao Governo do Estado 42 casas para as famílias que residiam no lixão. Além disso, ganhou corpo a discussão em torno da criação da cooperativa e através de doações, eles conseguiram construir a sede da instituição e passaram a contar com o apoio de outras entidades, a exemplo da Emsurb, que doou dois caminhões para a realização da coleta seletiva do material reciclável nos bairros associados.

O primeiro bairro a participar da coleta foi o Inácio Barbosa, considerado modelo para a cidade e onde foi desenvolvido o projeto piloto. Para o presidente da Associação de Moradores do bairro, Osmário Fernandes “a coleta seletiva é importante por que conscientiza os moradores sobre a questão ambiental e a não poluição do ambiente e também porque ajuda a Care”.

Vida de catador

Manoel Messias, 23, reside em um barraco no bairro Santa Maria, junto à esposa e dois filhos. Diariamente ele acorda bem cedo e sai para catar lixo nas ruas de Aracaju, onde recolhe garrafas pet, latinhas e ferro-velho. “Trabalho das cinco da manhã até às 10h da noite para conseguir sustentar minha família”, descreve o catador que ganha, em média, R$10 por dia com o material arrecadado. “O material custa muito pouco”, explica ele, ao informar que 1 kg de plástico custa R$0,40, enquanto o de ferro não chega à metade desse valor. “Tenho sorte quando consigo alumínio, porque o quilo sai a R$ 3”.

Durante o trabalho, Manoel tem que abrir os sacos de lixo e retirar de lá aquilo que pode ser reaproveitado. “Muitas pessoas pensam que sou ladrão e me tratam mal, outras já me conhecem e separam o material pra mim”, informa o catador que diz se sentir mal quando as pessoas o destratam. “Eu me sinto humilhado e acabo desanimando, mas tenho que trabalhar para alimentar minhas filhas”, conclui.


Por Valter Lima e Taís Olívia

Comentários

Adrine Cabral disse…
Matéria muito bem trabalhada. Infelizmente a população ainda não atentou para os perigos do lixo não tratado. Acho que esta situação do lixo deveria receber mais atenção de todos inclusive dos administradores de cidades, estado e país. Mas se cada um fizer sua parte a situação se reverte.
Parabéns para Valter e Tais pelo ótimo trabalho, que mostra o quanto ainda temos que mudar os nossos hábitos no trato com o lixo!
E uma dica: continuem publicando textos assim no blog. Isso enrquece a carreira de vocês e o nosso conhecimento.
Raquel disse…
Adorei a matéria!

caberia perfeitamente em qualquer jornal daqui. Informativa, dinâmica, ilustrativa...ótima

parabéns aos dois. continuem produzindo textos assim - e divulgando também!

um xero

Raquel
Débora :) disse…
Valtiiiinho, adorei a matéria! leve, dinâmica e o mais importante: traz à tona um tema quase esquecido pela população sergipana.
O engraçado é que caí na matéria pelo google (pasme!!!). Isso quer dizer alguma coisa: Vc e Thaís estão bombando na internet kkkkkkkk
Depois quero pegar alguns contatos para saber sobre a coleta seletiva no meu bairro. Vc pode me passar por e-mail? (acho q o propósito principal da matéria já surtiu algum efeito: moblizar)

beijão
Anônimo disse…
eu adorei,espero que continuem assim .essa matéri é tudo de bom iria certinho para um jornal .um xero
Anônimo disse…
o que é isso .voces chamam isso de matéria .estar orrível,não ta com nada.merda
ReciclaVida disse…
Olá... estava navegando na internet, quando por acaso entrei no seu blog e adorei a forma como você colocou este problema muito grave do lixo no nosso país, mas eu estou começando um blog e, com o propósito de ajudar as pessoas a terem informações, e então resolvi te mandar este e-mail para ver se você toparia ser parceiro nesse projeto.
Envie um e-mail para: reciclavida@ymail.com ou acesse: www.reciclavida.blogspot.com
Desde já Obrigada

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…