Pular para o conteúdo principal

Lula, o escudo

Por Kennedy Alencar, da Folha.com

Quando ainda era presidente, Luiz Inácio Lula da Silva cometeu um erro estratégico em relação ao próprio futuro. Deu corda em excesso à versão de que não daria palpites no governo Dilma, de que precisa "desencarnar" da Presidência, de que se dedicaria a retiros de pescaria.

Era uma forma de amenizar críticas a uma eventual tutela sobre o futuro governo. O jornalista João Santana, marqueteiro da campanha petista, insistia na tese de que era preciso eleitoralmente aproveitar a proximidade com Lula, mas também começar a construção do que seria o governo Dilma --aquela ideia meio esquisita de ocupar o espaço de rainha no imaginário dos brasileiros.

Os elogios ao estilo Dilma (administrativo, sereno, pouco loquaz) duraram até a primeira crise do governo, evento que acontece com todos os governos. De repente, as qualidades viraram defeitos. A política é como ela é. E a imprensa também. Por isso, Lula entrou em campo.

Crises precisam ser enfrentadas politicamente. A primeira crise de Dilma veio logo, no seu quinto mês. A primeira de Lula apareceu 14 meses depois, em fevereiro de 2004 (caso Waldomiro).
Registro: Lula e Dilma mantêm encontros frequentes desde quando ela foi eleita. A presidente nunca escondeu que se aconselharia com o antecessor. Daí ser mais do que natural uma parceria.

Dilma chegou ao Palácio do Planalto graças a Lula. Ele continuará forte se ela fizer um bom governo. É equivocada a ideia de que um desastre de Dilma pavimentaria a volta de Lula em 2014. Não seria tão simples assim.

Sempre esteve combinado entre os dois que Lula funcionaria com um escudo político da presidente. Só se surpreende com isso quem apostou erradamente numa rebelião de criatura contra criador. O ex-presidente não veio a Brasília porque quis. Foi chamado. Isso é informação.

Até a semana passada, lia-se que Lula não abrira a boca para defender Palocci, que indicara para chefiar a campanha de Dilma e, depois, ocupar a Casa Civil. Mais um dias, Lula apareceria no noticiário como suspeito da ingênua tese de fogo amigo. Pior: seria retratado como alguém que estaria adorando ver Dilma arder em fogo.

Ora, Lula veio a Brasília para fazer articulações que a presidente não pode fazer e dizer coisas que a presidente não pode dizer.

Há uma avaliação na praça de que ele enfraqueceu Dilma. Existe outra, mais consistente, que aponta que Lula apagou um incêndio de proporções maiores do que se imaginava.

Para o bem e para o mal, os destinos de Dilma e Lula estão atados um ao outro. O mais provável é que, em vez de sumir, o antecessor apareça mais vezes ao lado da sucessora.


Pagando língua
 
Como Lula reclamava, sem razão, das críticas de Fernando Henrique Cardoso ao seu governo, o petista ficou prisioneiro dessa ideia de que ex-presidentes deveriam se exilar como demonstração de boa conduta em relação aos antecessores.


FHC fez bem ao criticar Lula. Itamar Franco tem sido um senador excelente, o mais articulado da oposição. Sarney nunca abandonou a política profissional. Fernando Collor de Mello cumpriu sua pena e voltou ao palco por voto direto. Animal político, Lula tem o direito de fazer o mesmo.

É salutar que os ex-presidentes façam política, cada qual com suas forças e armas. No caso de Lula, ele acumulou um capital que lhe dá legitimidade para agir como líder político no PT e no país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…