Pular para o conteúdo principal

Almeida acha difícil aprovação da reforma política neste ano

REFORMA POLÍTICA EM DEBATE

A partir de hoje, inicio uma série de entrevistas com alguns dos parlamentares sergipanos sobre a Reforma Política. O primeiro entrevistado é o deputado federal Almeida Lima (PMDB), que é o presidente da Comissão que discute o tema na Câmara.

Almeida defende a participação da sociedade na discussão da reforma, por isso, ele levará a Comissão da Câmara para debater o tema em audiências públicas, além de ser favorável a um plebiscito. Sobre a forma como o Senado está encaminhando a discussão, o deputado faz críticas: "O Senado comete os mesmos erros das vezes anteriores ao não abrir odebate com a sociedade".

Um ponto polêmico da defesa de Almeida Lima é "acabar a judicialização do processo eleitoral e a criminalização das campanhas eleitorais, sobretudo da propaganda eleitoral como ocorre hoje". Ele se diz contra o voto em lista fechada e é favorável ao voto distritão, que elege os parlamentares mais votados.

O deputado acha difícil que a reforma seja aprovada ainda este ano. "Tenho dúvidas, mas afirmo que o mais importante é que haja um debate amplo e profundo e que se faça uma reforma compatível com a compreensão popular", diz. Leia a entrevista na íntegra. Ela foi realizada por email.

Valter Lima - Como presidente da Comissão Especial da Reforma Política, como o senhor avalia o andamento das discussões atualmente?
Almeida Lima - 
A reforma política é um desejo não apenas da classe política, mas da sociedade. O Congresso Nacional, apesar das várias tentativas, ainda não se mostrou capaz de construir maioria para efetivá-la. Nas vezes anteriores ela não foi possível porque os líderes não envolveram a sociedade no processo de discussão, o que foi um erro. Por essa razão quando assumi a presidência da comissão a primeira decisão que tomei foi levar o debate à sociedade com audiências públicas em Brasília e conferências pelos Estados. As audiências já estão sendo realizadas e as conferências estão agendadas e iniciam a partir do dia 29 de abril em Goiânia. O debate com a sociedade é fundamental para que a reforma seconcretize.

Valter Lima - O debate que está sendo feito na Câmara segue algum tipo de alinhamento ao que está sendo realizado no Senado?
AL -  De forma nenhuma. O que fazemos na Câmara é o oposto do Senado. O Senado comete os mesmos erros das vezes anteriores ao não abrir o debate com a sociedade, pois eu tenho um forte sentimento que um dos pontos mais importantes da reforma, o Sistema Eleitoral, é a sociedade quem vai decidir por meio de plebiscito. Vejo como difícil o Congresso Nacional construir uma maioria de três quintos de seus membros para a aprovação de uma emenda constitucional nesse sentido. É que os interesses pessoais dos parlamentares e os partidários estão em jogo, daí o conflito. Só mesmo a população para decidir, o que dará a legitimidade necessária.

Valter Lima - Na sua opinião pessoal, o que de mais importante deve ser alterado no atual sistema político brasileiro?
AL - 
O Sistema Eleitoral. O sistema proporcional vigorante não está conforme com a visão popular que deseja ter eleitos os candidatos que obtiverem mais votos. Os sistemas são proporcional e majoritário com as suas especificidades. Eu defendo o majoritário em toda a circunscrição que é o chamado distritão. Mas vejo como importante, também, acabar a judicialização do processo eleitoral e a criminalização das campanhas eleitorais, sobretudo da propaganda eleitoral como ocorre hoje, além de estabelecer o julgamento das lides eleitorais até antes da posse dos eleitos.

Valter Lima - O senhor é favorável ao voto em lista?
AL - 
Voto em lista fechada é retrocesso democrático. Por ela a eleição se torna indireta, pois o eleitor deixa de votar no candidato de sua preferência e somente poderá votar no partido, ou numa lista que ele apresenta.Com esse sistema ampliar-se-á a ditadura nos partidos, e isto é o que o PT defende. Vou além desse argumento, pois o considero inconstitucional por ferir o princípio de que “o poder emana do povo que o exerce por meio de representantes eleitos...”. O sistema proporcional em lista fechada burla esse princípio constitucional que é o princípio maior da democracia.

Valter Lima - Que orientações estão sendo repassadas pelo PMDB para a sua bancada no debate sobre a reforma?
AL - A bancada ainda não recebeu nenhuma orientação. Acredito que poderá começar a partir da próxima terça-feira quando ocorrerá a primeira reunião para tratar do tema.

Valter Lima - O senhor acredita que ela será aprovada ainda este ano?
AL -
Tenho dúvidas, mas afirmo que o mais importante é que haja um debate amplo e profundo e que se faça uma reforma compatível com a compreensão popular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…