sábado, 12 de março de 2011

Planalto agora teme manobra de Gilberto Kassab

Por Natuza Nery e Andreza Matais, da Folha de S. Paulo

Dilma e Kassab em recente reunião
O governo começa a temer a operação que deve tirar do DEM o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e jogá-lo nos braços do PSB. Entusiasta da ideia de provocar uma baixa na oposição, o Planalto agora passou a ver alguns riscos nesse movimento.

O assunto entrou na pauta de reuniões da presidente Dilma Rousseff. A ideia agora é que seria melhor para o governo que o futuro PDB (Partido da Democracia Brasileira, segundo última versão de seu estatuto) seja o destino definitivo do prefeito e seu grupo, não o trampolim para burlar a lei eleitoral promovendo uma fusão com o PSB.

O maior receio é dar musculatura ao PSB que, apesar dos laços tradicionais com o petismo, trabalha para ter, no futuro, candidato próprio à Presidência. Já há até um virtual nome: o governador Eduardo Campos (PE), em seu segundo mandato e com altos índices de aprovação.

Há, ainda, outros efeitos colaterais: a adesão pode engordar a bancada do PSB em cerca de 30 deputados federais, ameaçando a hegemonia PT-PMDB no controle das cadeiras do Legislativo.

Mais: daria à sigla de nomenclatura socialista a força que ela não tem em São Paulo, reduto crucial para qualquer projeto político nacional competitivo. Até agora, a versão recorrente era que Campos tentaria, com a adesão de Kassab, viabilizar-se como vice de Dilma numa eventual chapa à reeleição em 2014. Não é o que pensa hoje o Planalto.

Nas negociações sobre seu futuro, Gilberto Kassab chegou a considerar desembarcar no PMDB a partir do PDB. Essa opção também não é vista com bons olhos por Dilma e sua equipe. Motivo: daria mais poderes ao aliado e desbancaria o PT do posto de maior bancada da Câmara.

O PDB ainda não foi criado, mas já possui estatuto e uma lista de interessados à filiação. A Folha apurou que o documento foi elaborado de forma a garantir ao novo partido disputar a eleição municipal do ano que vem. Uma eventual migração de demistas para o PSB se daria somente após o pleito de 2012.

O ex-deputado Indio da Costa (DEM-RJ), candidato a vice ao lado do tucano José Serra, estaria disposto a desembarcar no novo partido. Ele e a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) foram autorizados a fazer oposição a Dilma na nova legenda. Significa, portanto, que ao menos uma ala da futura sigla não será obrigada a jurar fidelidade ao Planalto.

Nenhum comentário: