Pular para o conteúdo principal

Brasil cresce e muda a vida de pessoas e empresas do Mercosul

Por Aline Cury Zampieri, enviada a Paraguai, Uruguai e Argentina, do Portal IG

De segunda a segunda, ruas lotadas com pessoas saindo pra jantar. Buenos Aires ou São Paulo? Não, Assunção, onde a noite, nos últimos tempos, lembra a movida madrilenha. Mansões minimalistas de concreto e vidro de frente para o mar, por quilômetros do litoral. Os Hamptons ou Saint Barth? Não, Jose Ignacio, em Punta Del Este, no Uruguai, onde nada menos do que 70 prédios – sem contar com dezenas de casas de altíssimo padrão – estão sendo erguidos. Quilômetros e quilômetros de linhas do metrô em ampliação e oito shoppings sendo concluídos até o próximo ano. Nova Déli ou Pequim? Não, Buenos Aires, onde a recuperação econômica desafia até mesmo o mais cético dos portenhos.

Na semana em que se completam 20 anos da assinatura do Tratado de Assunção, que consolidou a criação do Mercosul, o iG convida o leitor a descobrir como paraguaios, uruguaios e argentinos estão saboreando o melhor momento econômico das últimas décadas. Na primeira série de reportagens do projeto Expedições iG, você entenderá como o controle da inflação, a democracia e o crescimento contínuo do Brasil estão mudando a vida de pessoas e empresas dos nossos mais próximos vizinhos.

Exatos 20 anos após a criação do bloco econômico, o Brasil se tornou a grande locomotiva que puxa o crescimento de toda a região. Segundo estimativas da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe das Nações Unidas (Cepal), apenas quatro países da América Latina cresceram mais que o Brasil em 2010. Deles, três são os parceiros do Mercosul, com o Paraguai na liderança: alta de 9,7% no ano. O país foi seguido por Uruguai (9%) e Peru (8,6%). A Argentina, segundo dados oficiais do país, cresceu 9,2%. O Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, teve expansão de 7,5%.

Os números impressionam. Segundo projeções da agência de classificação de risco Moody’s, a América Latina teve, no ano passado, a maior expansão dos últimos dez anos. “O gigante brasileiro domina a região. Se vai bem, os demais também vão bem”, diz Alfredo Coutinho, economista da Moody’s. Para ele, o Brasil teve um peso entre 70% e 80% da evolução de Paraguai, Uruguai e Argentina. “A mesma expansão deve acontecer este ano. E o inverso também é verdade. Se o Brasil tiver retração econômica, os vizinhos vão sentir.”

Números do Banco Central (BC) mostram que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresce há quase 20 anos, desde 1992. A exceção foi 2009, quando a queda de 0,64% refletiu, ainda que de leve, a crise mundial. O Brasil, com seus quase 200 milhões de habitantes, ajudou a dinamizar a economia dos 40 milhões de argentinos, 6,5 milhões de paraguaios e 3,3 milhões de uruguaios. Um passeio pelas capitais do Mercosul mostra cidades vibrantes, canteiros de obras e desafios em infraestrutura por toda a parte.

As exportações de commodities, produtos agrícolas e pecuária foram o grande motor do Mercosul, que vendeu sua produção sobretudo à China. Segundo os números mais recentes da Cepal sobre o grupo de livre comércio, em 2009 os principais produtos exportados pelo bloco foram soja, minério de ferro, massas, petróleo, automóveis e açúcar. A criação do bloco parece ter dado certo, sobretudo quando se olha a exportação dos principais produtos, os bens primários. Do total das vendas externas da Argentina em 2009, 68% eram produtos primários. E seus principais parceiros comerciais foram os vizinhos: dos produtos primários importados pelo Brasil, 61% vieram da Argentina. No Uruguai esse índice atingiu 71,3%. E 92% das importações de bens primários do Paraguai.

No comércio intrarregional de bens, os vizinhos vendem mais entre si, segundo a Cepal. Do total de R$ 61 bilhões exportados pela Argentina em 2009, quase metade ficou com América Latina e Caribe. O Paraguai vendeu aos vizinhos 46% dos R$ 10 bilhões exportados e o Uruguai deixou na região 43% de seus R$ 12,7 bilhões. Entre todos, o Brasil é o menos dependente: vendeu aos vizinhos apenas 15%, dos R$ 220 bilhões exportados. É por índices assim que o Brasil ajuda a puxar o desenvolvimento dos outros países, numa escala até maior do que o benefício que obtém com as vantagens fiscais do Mercosul.

Apesar dessa força exportadora, é impossível não incluir na conta do desenvolvimento uma componente política. Desde que a Argentina conseguiu a proeza de ter sete presidentes em três anos, entre 1999 e 2002, o Mercosul nunca viveu tamanho período de normalidade democrática. Além disso, as influências de políticas internas fiscais e estímulos dos governos de cada país, com medidas anticíclicas e de distribuição de renda, ajudaram a manter um ritmo de consumo interno que não foi visto em países desenvolvidos, dizem os analistas.

Comentários

Sebastião Oliveira [@ssoljunior] disse…
"O Brasil, com seus quase 200 milhões de habitantes, ajudou a dinamizar a economia dos 40 milhões de argentinos, 6,5 milhões de paraguaios e 3,3 milhões de uruguaios." Esses dados populacionais me surpeenderam... o tal gigante brasileiro!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…