domingo, 30 de janeiro de 2011

Adelson foi humilhado na disputa pela 1ª secretária da Mesa Diretora, diz Nilson Lima

Nilson Lima, líder do PPS em Sergipe, que disputou as eleições de 2010 como companheiro de chapa do ex-governador João Alves Filho (DEM) se utilizou de seu perfil no Twitter (na rede, ele é o @nilsonlima23) para comentar as negociações em torno da formação da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Sergipe.

O ex-petista inicia o comentário citando o humorista e deputado federal eleito Tiririca. “Parafraseando Tiririca, os novos deputados estaduais estão com muita sorte: seus subsídios aumentam bastante, enquanto o trabalho diminui. Eles não terão trabalho sequer para escolher seus pares que comporão a Mesa Diretora, pois o chefe do Executivo e Amorim já fizeram por eles”, afirmou Nilson Lima na sexta-feira.

E agora a pouco, o líder do PPS voltou a falar sobre o assunto. “O mico da semana quem suportou foi o deputado Adelson Barreto ao ser derrotado em sua pretensão de ocupar a 1ª Secretaria da Assembleia. Adelson foi estimulado pelo grupo liderado por Edvan Amorim a entrar na disputa. Quase todos os deputados chegaram a declarar-lhe apoio. Os mesmos deputados não resistiram no apoio prometido após o chefe do Executivo declarar que sua candidata ao posto seria Conceição Vieira”, afirmou.

Mas não parou aí. Disse mais: “Na disputa pela Mesa da Assembleia prevaleceu a máxima ‘manda quem pode; obedece quem tem juízo’. O deputado Adelson poderia ser apresentado simplesmente como derrotado em sua pretensão, mas fizeram questão de humilhá-lo. A justificativa oficial deu conta da desistência do deputado Adelson, em função de sua ‘lealdade’ e para manter a ‘unidade’ situacionista”.

Segundo Nilson, “o que houve na disputa da Primeira Secretaria foi um freio de arrumação para limitar a influência de Edvan Amorim”. Nilson diz ainda que "Edvan Amorim já havia assegurado a reeleição da atual presidente, deputada Angélica Guimarães, e queria Adelson como primeiro secretário".

De acordo com Nilson, "a tática elaborada foi bastante inteligente, pois levara em consideração a condição do deputado Adelson de filiado ao PSB. O chefe do Executivo Estadual, porém, reagiu e derrotou a candidatura de Adelson, como forma de conter o poder do aliado Edvan Amorim".

Um detalhe salta dos comentários de Nilson Lima. Em nenhum momento ele cita o nome do governador Marcelo Déda (PT), de quem foi amigo por um longo tempo e de quem foi secretário. Toda referência a Déda é feita com a expressão “chefe do Executivo”.

Um comentário:

Anônimo disse...

Se eles fizessem a metade do que este deputado faz srº. Nilson Lima, esta EdvanO chefe do Executivo como vossa Exª diz eles tinham dado todo apoio, se fosse com vxª. não teria acontecido esta vergonha.