Pular para o conteúdo principal

O Estado ineficente (e caro)

Por George Lemos (@georgelemos1986)

Enquanto escrevo, recebo um link da revista VEJA, sobre os gastos do poder público em 2011. E as notícias não são nada boas, já que o Supremo Tribunal Federal terá aumento. E quando o Supremo tem aumento, todas as instituições públicas vão atrás: é que os salários dos ministros do STF são os maiores do país. E está no texto da lei: nenhum funcionário público pode receber vencimentos superiores aos dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Com isso, o país entra em polvorosa: o setor público tem gastado demais em previdência e em salários. E essa necessidade de inflar o Estado com cada vez mais funcionários de carreira, dá um freio no crescimento econômico e aumenta os gastos da nação. O valor estimado, para gasto em salários no funcionalismo público em 2011, é de R$ 200 bilhões.

É um valor muito alto, se considerarmos que nem o homem mais rico do país está em condições de pagar essa conta. A realidade é que o Estado está chegando em um ponto de se custar caro. É como comentei recentemente em uma rede social: “pagamos impostos suecos para termos serviços dignos do Burundi”.

O brasileiro comum pode estar feliz com o aumento da renda e com a capacidade de consumo aumentada, mas sabe que poderia ter mais dinheiro no bolso. Sabe que, se os políticos recebessem 25% do que recebem atualmente, em rendimento líquido, o país teria melhores condições de investimento em ciência e tecnologia. O ensino teria mais chance de receber verbas em quantidade adequada, sendo essa premissa válida para a saúde e para a segurança pública.

O Brasil só poderá ter chances de ser Primeiro Mundo se lutar contra a sua própria essência. Afinal, os políticos são o reflexo eleitoral de um povo. Se o povo acha vantagem em ser desonesto, o político também o será. Se o político tem chance de enriquecer de forma imoral e ilícita, o eleitor é copartícipe do
crime.

É o eleitor que leva o “político ladrão” ao Congresso ou para a Assembleia Legislativa. Não há outra sentença a ser proferida, por mais desagradável de se ouvir que seja. É o eleitor que, em uma democracia representativa, elege o representante do seu estado, da sua região. Sendo assim, o eleitor é fiscal de
quem elegeu.

E o eleitor deve exercer uma fiscalização eficiente, para que o Estado não desvirtue das suas funções estabelecidas na Constituição vigente. Se cada eleitor fiscalizar os eleitos pelo seu Estado, já é válido: cobrar ações efetivas em prol das melhorias de condição, exigir clareza nas relações internas e externas e ficar atento ao noticiário.

Eu quero crer que há alguma chance para o Brasil e para os seus cidadãos. Sinceramente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…