Pular para o conteúdo principal

Os excessos dos políticos e o controle da mídia

Liberdade de imprensa e autonomia dos meios de comunicação sempre geram grandes embates e certas declarações polêmicas. O Governo Lula, por exemplo, em muitas ocasiões, já foi acusado de tentar censurar a mídia e estabelecer mecanismos de controle. Os meios de comunicação, por sua vez, foram e são implacáveis com o atual Governo. Reconheço isso, embora não enxergue problema nesta atitude.

A imprensa exerce seu papel de fiscalizar os Governos, que muitas vezes negligenciam o trato com a máquina pública. Sem a presença dos meios de mídia, os políticos se sentiriam (ainda) mais poderosos. Por conta disso, é visto como levante autoritário qualquer tentativa (ou mesmo uma simples declaração) de controle da liberdade de imprensa no Brasil.

Na última segunda-feira, 13, o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, protagonista do mensalão, durante uma palestra para petroleiros, afirmou que “o problema do Brasil é o excesso de liberdade de imprensa”. “Dizem que nós queremos censurar a imprensa. Diz que o problema é a liberdade de imprensa. O problema do Brasil é excesso, [...] abuso do poder de informar, o monopólio e a negação do direito de resposta e do direito da imagem. [...] Os tribunais brasileiros estão formando jurisprudência. Se vocês lerem os discursos do Carlos Ayres Britto [ministro do STF], aquilo não é voto, é discurso político, que a liberdade de imprensa está ameaçada no Brasil, que é um escândalo...”, disse o petista.

Sem ser reacionário ou extremista, não quero potencializar a declaração do ministro, pois ela por si já o faz. Não enxergo na imprensa brasileira o “abuso do poder de informar”. Agora enxergo as constantes “ameaças a liberdade de imprensa no Brasil”. Os veículos de mídia, em quase sua totalidade, fazem a crítica e dão espaço para o direito de resposta. Se o espaço é ideal ou não é outra questão que pode (e deve) ser discutida, mas ainda assim, não enxergo “excesso de liberdade” na imprensa brasileira. Enxergo a liberdade necessária para o cumprimento do seu papel. E olhe que falta muita transparência aos Governos no manejo com o dinheiro público. Há um esforço para que isso mude. Mas ainda não é suficiente.

As declarações de Dirceu não se esgotaram apenas no “excesso”, foram mais adiante. Ele falou ainda da estreita relação entre a mídia e a oposição: “Eles estão preparando a agenda deles para o primeiro ano de governo. [...] O governo sempre é disputado. [...] Com o apoio da imprensa, eles [da oposição] tentam tomar a opinião pública, forçando determinadas definições ou tentar impedir que nós apliquemos determinadas políticas. Ou paralisando no Congresso ou criando um clima na sociedade contrário...”.

A oposição municia a imprensa de informação desde sempre. É uma relação que se torna necessária e é natural que isto aconteça. Cabe aos jornalistas apurarem aquilo que é ventilado pelos opositores do Governo e não se deixaram enganar pelo excesso de denuncismo que toma conta do discurso oposicionista. E é este mesmo excesso de denuncismo que deve ser melhor equacionado nos jornais. Reconheço que a ânsia pelo furo noticioso gere informação inconsistente e que depois de repercutida se mostra inverídica.

Ou seja, não é o controle da mídia que resolverá os problemas da imprensa. Não é o controle ao “excesso de liberdade” que tornará a relação entre Governo e mídia mais amistosa. É necessário mais atenção e cuidado no processo de apuração da informação; e paridade no espaço dado aos envolvidos no fato, principalmente se envolver denúncias.

Mas para além das obrigações da mídia, o importante é que os políticos brasileiros tenham mais zelo com o que público, com o que pertence aos brasileiros. Cabe ao Executivo e ao Legislativo criar primeiro mecanismos de controle para que não se repitam no Brasil casos como o do mensalão e da recente violação do sigilo fiscal da filha do ex-governador de São Paulo. Neste caso sim há um excesso de arbitrariedade por parte daqueles que se consideram donos do Brasil. Para estes, a imprensa precisa realmente exceder os limites da liberdade.

Comentários

Igor Almeida disse…
Informação nunca é em excesso quando circulam para fins democráticos. E justamente aqueles que condenam a liberdade de imprensa são os únicos que não podem falar em "abuso", pois os mesmos abusam do poder para fins ilícitos. O fato é que a imprensa incomoda àqueles que devem, pois se assim não fosse, defenderiam incisivamente a o direito de informar e transparência pública.

Parabéns Valter!!

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…