Pular para o conteúdo principal

O país que não me inspira

Por George Lemos (@georgelemos1986)

Realmente, não me inspira. Cada vez menos sinto esse país como um lugar seguro pra se viver, ter filhos e crescer. É o país da euforia letárgica, entorpecente e que nunca chega ao patamar desejado: o de ser potência global.

É o país onde as pessoas reclamam da corrupção e o máximo que fazem, são movimentos virtuais. As ruas não cabem nos protestos e os protestos não se expandem em meio aos logradouros públicos: avenidas, ruas e praças servem para, no máximo, manifestos pelegos.

A mim, me dói ver um país ser empurrado para o totalitarismo de uma só tendência política. Ainda que se tenham opções nos nomes, não as há em tendências. Onde o divergente é execrado, perde seus direitos de cidadão e é posto no limbo, não há democracia plena.

É certo que estamos livres das torturas e das agressões do período militar, mas agora há uma violência quanto aos conceitos próprios ou particulares: é o que chamamos de politicamente correto. E a redemocratização errou a mão, quando impôs o conceito de politicamente correto para a sociedade e o politicamente incorreto, nos bastidores da política nacional.

Sinceramente, temo pelo pior a partir de 2011, independentemente de quem as urnas vão escolher pra governar o país que chamamos de Brasil. Os perfis de candidaturas majoritárias que se apresentam são frutos de mentalidades centralizadoras e partidárias, cegas entre seus militantes e defensores de suas siglas, onde o projeto de poder passa pelas mãos dos comitês centrais.

O Brasil precisa de líderes que estejam acima dos partidos políticos e que possam re-erguer o país, sem ferir as leis vigentes. Mas, eis o nosso erro: o modelo federativo e o presidencialismo não se batem. Um país grande e continental como o nosso, necessita de parlamentos fortes, com representatividade dos eleitores sendo exercida de forma plena e soberana.

O Legislativo não pode continuar com as atuais relações de escambo com o Executivo, levando o Judiciário a intervir na condução e execução da governabilidade e da manutenção do Estado Democrático de Direito. A solução é a adoção de um modelo Parlamentarista, onde se possibilite a formação e criação de partidos e coalizões regionais / estaduais.

Analisando a História do Brasil, vemos um país sem vocação democrática, na concepção ocidental moderna. Temos um país de mandados e mandantes, onde o ciclo se repete ao som dos discursos daqueles que herdaram o poder.

Sendo assim, torna-se urgente buscar remover as ligações com o século XX, principalmente com partidos ou lideres surgidos no Período Militar e na Constituinte de 1988. Se a política nacional permanecer atrelada a esses dois momentos históricos, viveremos como cria das viúvas das tais “marcas históricas”.

Só a renovação nos quadros nacional, estadual e municipal nos libertará desse pragmatismo perverso, que dita às normas e orienta o jogo político. E quando falamos em renovação, não é a renovação familiar de mandatos, tão comum na última década, visando dar um novo ar ao pleito.

Renovar os quadros partidários com gente do povo, que não tem os vícios nem a herança maldita. Dar voz aos parlamentos e aos eleitores, através de ferramentas que possibilitem a fiscalização e até mesmo, a destituição do eleito ao mandato.

São as minhas sugestões e o meu discurso para a próxima década (2011 – 2020). Deus permita que eu veja alguma dessas mudanças em prática, nos anos que se seguem. Ou terei de seguir para um destino além-fronteiras.

Comentários

Anônimo disse…
é isto.

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…