Pular para o conteúdo principal

'Déda já gastou R$ 2,5 mi e João Alves, R$ 850 mil, na campanha'

Oi amigos que acompanham o meu blog. Cometi um erro na matéria intitulada 'Déda já gastou R$ 3,2 milhões e João, R$ 1,4 mi, na campanha', publicada na página 17 do Caderno 1 do jornal Cinform desta semana. os dados estão incorretos, porque cometi a besteira de somar os números da primeira e da segunda parcial da prestação de contas. Por isso, refiz a matéria, que já está publicada no Cinform online e que segue abaixo. Peço desculpa pelo equívoco.

O candidato do PT ao Governo do Estado, Marcelo Déda, foi quem mais arrecadou e quem mais gastou em pouco mais de dois meses de campanha eleitoral. Déda arrecadou R$ 2,1 milhões e já gastou mais de R$ 2,5 milhões. Seu principal adversário, o ex-governador João Alves Filho, DEM, arrecadou e gastou bem menos: R$ 850 mil. A maior parte dos recursos da campanha do atual governador é de doações de empresas. Já no caso do candidato do DEM, a totalidade do que foi arrecadado é proveniente de outros candidatos e de comitês.

Na primeira parcial da prestação de contas apresentada ao Tribunal Regional Eleitoral – TRE/SE – no início de agosto, Déda informou que a arrecadação de sua campanha foi de R$ 768,7 mil. Já na segunda parcial, no início deste mês, o valor arrecadado pelo candidato do PT aumentou substancialmente: R$ 2,1 milhões.

No entanto, os recursos arrecadados até o momento não quitam todas as despesas da campanha. Na primeira parcial, os gastos do petista foram de R$ 768,7 mil, enquanto na segunda parcial, este valor saltou para R$ 2,5 milhões. Ou seja, as contas da candidatura de Déda estão no vermelho: há um déficit de R$ 408 mil.

Na campanha do demista João Alves, os números são mais modestos. Na primeira parcial, João arrecadou R$ 583,9 mil. Na segunda, o valor arrecadado subiu para R$ 850,3 mil. De acordo com a prestação de contas apresentada ao TRE/SE, a candidatura do DEM ao Governo gastou exatamente o total do que arrecadou.

Entre os candidatos de menor densidade eleitoral, Avilete Cruz, PSOL, arrecadou R$ 6,3 mil e gastou R$ 5, 8 mil. O candidato do PSDC, Arivaldo José, arrecadou R$ 5 mil e gastou R$ 4,8 mil. Nos dois casos, foram os próprios candidatos que investiram nas campanhas. Vera Lúcia, PSTU, Henrique Aragão, PRTB, e Leonardo Dias, PCB, não apresentaram movimentação financeira durante o período da campanha.

De onde vem?

Os recursos que sustentam a campanha milionária de Marcelo Déda são provenientes, em quase sua totalidade, de empresas. Na primeira prestação de contas, o candidato do PT informou ter recebido R$ 590 mil em doações de pessoas jurídicas. No segundo informe ao TRE/SE, este valor saltou para R$ 1,6 milhão. Na prestação de contas da candidatura petista, há ainda R$350 mil arrecadados junto ao partido e mais R$ 87 mil recebidos em doação de pessoas físicas. Já o dinheiro arrecadado por João Alves se deve a outros candidatos e aos comitês, embora não haja especificação de quem esteja investindo na campanha demista.

Para onde vai?

A propaganda na TV e no rádio consumiram a maior parte dos recursos arrecadados pelo candidato João Alves Filho. Ele investiu R$ 608,5 mil neste serviço. Em serviços prestados por terceiros (não há especificação do que tenha sido), João Alves Filho gastou ainda R$ 34 mil. Em publicidade impressa, o candidato do DEM gastou R$ 124 mil.

Já o candidato Marcelo Déda fez o maior investimento de campanha nas pesquisas eleitorais: ao todo, ele já gastou R$ 568 mil. Houve investimento maciço de Déda ainda em publicidade impressa (R$ 523 mil), em placas e faixas (R$ 45 mil) e através dos carros de som (R$ 349 mil). A produção de programas do candidato petista consumiu R$ 130 mil.

Albano arrecadou mais de R$ 1,4 milhão

O candidato ao Senado, Albano Franco, PSDB, já arrecadou mais do que o ex-governador João Alves em sua corrida ao Governo. Albano arrecadou R$ 1,4 milhão e gastou até o momento mais de R$ 1,2 milhão, enquanto João, 850 mil. Enquanto isso, Valadares, PSB, arrecadou R$ 23 mil; Eduardo Amorim, PSC, R$ 156 mil, e José Carlos Machado, DEM, arrecadou R$ 715 mil.

A maior parte dos recursos utilizados por Albano é própria. Dos R$ 1,2 milhão, R$ 859 mil saíram do bolso do candidato ao Senado. Albano gastou até o momento R$ 1,2 milhão. Valadares teve gastos bem mais modestos: R$ 18,7 mil. Já Amorim gastou mais do que arrecadou: R$ 247 mil. Machado, assim como Albano, também fez um investimento próprio elevado na campanha. O candidato demista tirou do próprio bolso R$ 700 mil. Sua campanha já gastou ao todo, R$ 492 mil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…