Pular para o conteúdo principal

Debate da TV Atalaia: ataques, despreparo e superficialidade

Foto: César de Oliveira
Qual a real função de um debate eleitoral? Levar os candidatos a apresentar propostas? Fazer com os eleitores avaliem quem é o mais preparado para governar? É com estas teorias que ele se justifica. Mas, assim como na política, na prática, isso não se aplica. O debate da TV Atalaia realizado ontem foi a prova disso.

O encontro entre Déda, João e Avilete tornou-se um embate duro, que em alguns momentos reduziu o nível do programa a troca de acusações e a abordagem repetitiva dos temas. Faltou aprofundamento. Quase não foi possível localizar a apresentação de um programa de Governo para áreas essenciais, como Saúde, Educação, Segurança e Emprego.

De longe o mais preparado, Déda soube surfar sobre as debilidades de argumentação e de comportamento de seus adversários (ou seriam, acusadores?) durante todo o programa. Foi irônico, soube tirar proveito das perguntas mal elaboradas de Avilete Cruz e levantou temas de perguntas para os outros candidatos que lhe rendessem excedentes positivos na apresentação de pontos positivos do seu Governo. Foi assim ao falar das escolas técnicas, das estradas, da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Zona de Expansão.

O petista usou ainda argumentos do próprio João Alves, ao ressaltar reportagem do Correio de Sergipe sobre o rodízio de água em Aracaju em 2006 e ao dizer que os sócios da refinaria que o demista queria trazer para Sergipe não tinham capacidade de investimento. Ao final do programa, Déda se apossou da ideia do David e Golias, que é repetidamente usada na propaganda do DEM, desestruturando o discurso de João Alves.

João Alves começou bem, inclusive atacando o seu principal oponente e chamando-o para um desafio de comparação de Governos. Depois perdeu a linha, ao levantar um tema que não lhe rende votos. Repetidamente afirmou que Déda mesmo sendo aliado e compadre (falou isso inúmeras vezes) do presidente Lula, não reverteu isso em benefícios para Sergipe. Ao voltar para Déda, o argumento se desconstruía. João também não soube tratar da LRF e falou superficialmente da falta de água. Disse que a Deso está sucateada.

João não soube usar as perguntas bobas de Avilete para se sair bem, como quando questionado sobre o trato com o funcionalismo público. Tratou superficialmente da questão e pulou para outro assunto: a Rota do Sertão, para dizer que o projeto era de sua autoria. A refinaria também foi um tema sobre o qual João não se saiu bem. Levantar um tema que é de difícil compreensão para o povo não agrega votos. Temática dispensável.

O despreparo de Avilete deu a tônica de uma participação apagada e de momentos hilários. Assim como no debate da TV Cidade, a candidata lia perguntas e respostas, se perdia em argumentos e não convencia. Foi superficial. Além disso, não soube vender as ideias do PSOL. Percebendo o ostracismo, reclamou da falta de atenção dos candidatos as suas respostas. E, além disso, insinuou que a Justiça estaria favorecendo Déda ao não analisar o processo que pede sua cassação. Deprimente!

Neste cenário construído pelos próprios candidatos – já que as perguntas versavam sobre temas de livre escolha –, o eleitor não teve acesso a propostas. Não há como saber de que será feito o próximo Governo, se considerarmos apenas o debate de ontem. Foi superficial. Na próxima terça-feira, 28, acontece o último debate entre os candidatos. Dessa vez na TV Sergipe. Lá o formato é mais engessado. As temáticas, pré-determinadas. A audiência também é bem mais substancial. Resta aguardar pra ver se dessa vez a teoria será colocada em prática.

Comentários

Diógenes disse…
Como diria Kátia Susannsa: 'Excelenteeeeeee!'
Edson Júnior disse…
O debate foi bem conduzido e com um formato mais ágil, sem dúvidas. Mas poderia ser introduzido um bloco de perguntas de jornalistas, ou notáveis, nos setores de educação, segurança, saúde, habitação, cultura, etc. Nos formatos atuais, o candidato que está a frente das pesquisas recebe pesado bombardeio e fica limitado a responder aos ataques. Não deixa de ser importante, pois é uma forma de prestação de contas e apresentação do perfil do candidato, seu passado, o que fez, o que o credencia a postular o cargo. Parabéns pelo artigo.

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…