Pular para o conteúdo principal

Impressões das entrevistas ao JN

Depois de assistir a participação dos três principais candidatos à Presidência no Jornal Nacional , posso dizer que Dilma Rousseff, Marina Silva e José Serra se sairam muito bem. Dilma conseguiu falar com mais fluência e (sem dúvidas) deixou bem claro que é a candidata do presidente Lula, Marina vendeu bem a ideia de que não é só uma candidata ambientalista e José Serra mostrou que realmente é o mais experiente. Ponto negativo apenas para os apresentadores do telejornal que na angústia de melhor aproveitar o tempo atropelaram por mais de uma vez todos os entrevistados.

Diferente do que li em pretensas análises de líderes partidários e de eleitores mais inflamados, não vi favorecimento nas perguntas para um ou outro candidato. Willian Bonner e Fátima Bernandes souberam manter o mesmo nível de perguntas e fizeram questionamentos de pontos fortes e fracos de cada postulante ao cargo de presidente da República.

Questionaram tanto Serra como Dilma sobre alianças controversas, perguntaram a Serra sobre os pedágios e sobre as comparações dos governos petista e tucano. Com Dilma, falaram da falta de experiência política, e sobre a relação de dependência com Lula. E com Marina falaram da montagem das bases no Congresso e tentaram encurralá-la com o mensalão.

Em seu discurso, Dilma afirmou que exerceu o "segundo cargo mais importante da hierarquia do Governo Federal" e ressaltou que conhece "o Brasil de ponta a ponta". Sobre a relação com Lula disse que tem "imenso orgulho dela" e afirmou que quer "transformar o Brasil num país diferente".

"Em relação aos problemas brasileiros, eu não vacilo. Me considero extremamente preparada no diálogo.No papel de cuidar de Governo é como se a gente fosse mãe. Tem uma hora que a gente cobra e em outra, a gente incentiva", disse sobre sua forma de atuar. Ao defender sua candidatura, Dilma argumentou que "não é repetir, é avançar e aprofundar".

Marina, por sua vez, garantiu que sua candidatura não é apenas para fortalecer a defesa do meio ambiente, mas é também para chamar "a atenção para as coisas que a gente está vivendo hoje". "A minha candidatura é para agora, porque o Brasil não pode esperar", disse. 

Sobre a escassez de partidos ao seu lado e sobre as possíveis dificuldades para montar uma base de apoio ao seu Governo, ela afirmou que tanto Dilma como Serra "já estão tão comprometidos" com os partidos aliados e por isso, "só podem repetir mais do mesmo", o que no caso dela seria diferente, pois ela construiria o arco de apoios a partir de diretrizes determinadas por ela e não compactuadas antes do resultado das urnas.

Já José Serra tentou justificar a escassez de críticas ao presidente Lula afirmando que está "focado no futuro". "Quero reforçar o que está bem e melhorar o que não andou direito. O meu foco não é o Lula", ressaltou. Sobre a comparação entre o atual Governo e o de FHC, ele afirmou que "são condições diferentes. Foram governos diferentes".

Confira a íntegra das entrevistas:
Dilma
Marina
Serra

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…