Pular para o conteúdo principal

Debate não muda cenário atual

Assisti ontem ao primeiro debate na TV entre os presidenciáveis e faço agora algumas observações intercaladas com outras do jornalista Josias de Souza, que de todos que li foi o que considerei detentor da melhor análise (ou daquela que mais se aproximou da minha).

Considerei esse primeiro embate entre Dilma e Serra e com a participação de Marina e Plínio enfadonho e em alguns momentos até cansativo. O destaque pra mim foi o bloco ancorado por questionamentos feitos por jornalistas. Antes disso, nos blocos anteriores, o que se viu foi uma série de perguntas pouco críticas e que não tocaram nos principais pontos de confronto entre os candidatos.

“Ficou no zero a zero”, disse Josias de Souza (pra ler a opinião completa dele, clique aqui). Para o jornalista, que é experiente na análise política e na cobertura de eleições, “ninguém saiu de campo contundido. E nenhum candidato fez um golaço capaz de levar a arquibancada a trocar de time”.

De acordo com Josias, na avaliação que se aproxima completamente da minha, o debate foi “melhor para Dilma Rousseff e ruim para José Serra”. Por quê? “A oposição alardeara durante meses que, nos debates, Serra faria picadinho da rival” e não fez. Já “a candidata de Lula cumpriu a tabela”. E diz mais Josias: “Serra, foi como se tivesse cedido o empate num campo que era considerado seu”.

Também esperei mais de José Serra. Embora calmo, ele não esboçou muitos ataques contra Dilma, talvez por conta dos resultados das pesquisas que o colocam abaixo da petista em até dez pontos (como é o caso da pesquisa Sensus divulgada ontem).

Já Dilma estava realmente nervosa, ainda pouco a vontade em frente às câmeras, mas de todo modo, mais preparada e com um discurso mais entendível do que em ocasiões anteriores, quando em entrevistas, não conseguia finalizar argumentos ou organizar respostas inteiras.

Mas a maior decepção do debate pra mim foi a candidata Marina Silva, que durante uma entrevista há duas semanas na TV Brasil me fez parar para prestar atenção em suas propostas, mas que ontem estava um tanto desconcertada. Ela não me empolgou.

Sobre o Plínio Arruda, tenho pouco a dizer, a não ser que ele divertiu em alguns momentos, mas assim como a maioria dos candidatos de esquerda, não propôs nada de novo e nem mostrou o caminho para que o Brasil seja um país mais igual, como tanto defendem.

No mais, outros pontos da análise de Josias de Souza:

“Cada um jogou o seu jogo. Nada de polêmicas ou caneladas. Um prenúncio do que deve ocorrer na propaganda eleitoral.”

“Dilma agarrou-se em Lula. Ao evocar a atual gestão, falou sempre num plural autoinclusivo: 'O nosso governo' fez isso, 'nós fizemos' aquilo.”

“Serra dissociou-se de FHC. Em dado momento, disse que mira o futuro, não o retrovisor. No quarto bloco, aberto a perguntas de jornalistas, teve de olhar para trás. Foi o ponto em que o debate mais se aproximou do modelo plebiscitário idealizado por Lula. Um dos “inquisidores” da emissora perguntou a Serra por que foge de FHC, como fizera Geraldo Alckmin, em 2006. Questinou-o sobre as privatizações. Podendo defender o amigo FHC, Serra acendeu o farol dianteiro: ‘Eleito, vou valorizar o patrimônio público’.”

Desse modo, não acredito que desde debate deva sair alguma alteração nos números das pesquisas. Até sábado, os institutos divulgarão novas sondagens. Vamos esperar pra ver se eu estou certo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…