domingo, 23 de maio de 2010

As pesquisas e o empate

Uma semana depois da primeira pesquisa (Vox Populi) apontar Dilma liderando a corrida presidencial nesse período de pré-campanha, o instituto Datafolha confirmou a linha ascendente da candidata petista e a conseqüente estagnação e queda (na maior parte dos cenários) do tucano José Serra. Para encerrar essa rodada de sondagens falta apenas a divulgação da pesquisa Ibope, que ocorrerá nesta semana, e que deve mostrar um quadro semelhante.

Os números do Datafolha são semelhantes aos das pesquisas Vox Populi e CNT/Sensus. Será que a partir de agora, todas as sondagens começarão a falar a mesma linguagem? Eu, particularmente, acredito que sim, Com o passar do tempo, os candidatos estão ficando cada vez mais conhecidos, o interesse pelo assunto está aumentando e a eleição ganha status nacional. O brasileiro vai ficando mais atento à disputa e começa definir o seu rumo eleitoral para outubro, quando nas urnas escolherá o novo presidente do país.

Vamos aos números do Datafolha divulgados ontem e hoje pela Folha de São Paulo:



De acordo com a pesquisa, o crescimento de Dilma que a levou ao empate com Serra em 37% se deu em quase todos os grupos de eleitores e em todas as regiões do país em pouco mais de 30 dias. Dilma também abriu larga vantagem sobre Serra quando se trata de disputar voto entre os eleitores que aprovam o presidente Lula.

Em março, quando o presidente tinha 76% de aprovação no Datafolha, Dilma e Serra registravam 36% de intenção de voto cada um entre esses eleitores pró-Lula. No levantamento deste mês, Lula repetiu os 76% de aprovação de março, mas Dilma passou a ter 45% entre esses eleitores – nove pontos a mais do que tinha em março. Já Serra recuou para 32% nesse grupo – ficando 13 pontos atrás da petista. (leia matéria completa com os dados na Folha.com)

Os resultados das pesquisas acendem a luz vermelha no ninho tucano e estimula os petistas. A partir de agora, os dois candidatos estão em condições iguais na disputa.

Com o começo da campanha, em julho, Lula estará ainda mais próximo da sua candidata. E com a estagnação e queda de Serra, já se ventila a necessidade de que Aécio Neves aceite ser o vice tucano.

Ainda não há informações oficiais a respeito, mas eu duvido muito que o Aécio aceite. Ele queria mesmo era ser o candidato. E, sinceramente, penso que ele estaria em melhores condições do que José Serra, que flutua entre 30 e 35 pontos na intenção de votos dos eleitores desde sempre.

Essa foi boa

A coluna Painel da Folha de São Paulo de ontem trouxe uma nota bem divertida e interessante sobre a influência do Lula sobre a intenção de voto do eleitor em Dilma:

Amostra Grátis
No início da semana, diante de duas outras pesquisas a indicar o crescimento de Dilma, um dos caciques peemedebistas menos empolgados com a candidata do PT colocou as barbas de molho: “Se um pouquinho de Lula na propaganda já fez esse estrago, imagine quando o homem for a televisão todo dia pedir voto”.
Leia mais sobre o assunto:
Dilma adota cautela e presidente do PSDB atribui a Lula crescimento de petista em pesquisa
Dilma já pode ser considerada favorita
Festa no AP do PT: Serra e Dilma empatados no Datafolha: Alguma surpresa? Nenhuma!
Em campanhas, quando se começa a formar uma onda...

2 comentários:

Eloy Vieira disse...

É impressionante mesmo o carisma que Lula tem, tanto com o povo do Brasil quanto fora. Eu acho q é por isso que ele é 'o cara' lá fora e é invejado por muito chefe de estado por aí...

Eu tb concordo que Aécio teria mais chances que Serra.. mas acho que não nessa eleição pq ele ainda não tem um nome muito forte em âmbito nacional, mas se ele começar a se fazer conhecido pelo país pode ganhar força pra 2014.

Diógenes de S. disse...

Acho que mais que carisma, Lula mostrou que nao é preciso ser 'doutor' para conduzir um país do nosso porte e com nosso histórico. Mostrou que competência, sim, é o diferencial. E se ele resistiu a tudo por que a administração dele passou, mostra, ainda, que ele consegiu ser mais forte que o próprio PT. Naturalmente, as pessoas preferem que o cenário se mantenha, a ter que arriscar alqgo que, mesmo aprecendo novo, sabemos que é mais de uma face obscura que o brasileiro aprendeu a detestar neses oito anos.

É Dilma na cabeça e na urna. Pronto!