Pular para o conteúdo principal

Pedofilia, Igreja Católica e a incapacidade de lidar com o problema

Falar em Igreja Católica hoje é fazer uma associação automática aos muitos casos de pedofilia que se tornam públicos a cada dia. Não só no Brasil e não restritas à Europa, as denúncias de padres que praticam atos sexuais com crianças e adolescentes surgem em todos os lugares do mundo. Prato cheio para a imprensa, o assunto tem tomado as manchetes de jornais e sites e lotado o noticiário da TV e os programas investigativos.

Para além da avaliação dessa cobertura e da abordagem dos meios de comunicação, duas reportagens, em especial, chamaram minha atenção nos últimos dias. Ambas da Folha de São Paulo, as matérias – uma em formato de entrevista e a outra como artigo – trazem opiniões bem interessantes de dois especialistas no tema.

No dia 11 de abril de 2010, o caderno “Mais” trouxe o texto “De má fé”, de John Cornwell, que afirma que os escândalos de pedofilia ameaçam se transformar na “mais grave crise na história moderna”. Já no último dia 19, a “Entrevista da 2ª” dialoga com jornalista John Allen Jr., que foi responsável pela biografia do papa Bento 16, quando ele ainda era o cardeal Ratzinger. Para Allen Jr., a “Santa Sé é inepta ao tratar de escândalos”. Abaixo subscrevo os trechos que considero mais significativos das duas reportagens.

“O escândalo dos padres pedófilos é um de uma série de sintomas de uma crise que inclui critérios de recrutamento inadequados, triagem inexperiente e leiga, formação questionável nos seminários e o perigo de definir o sacerdócio em termos de exaltação espiritual. O sacerdócio celibatário católico atrai muitos homens que têm vocações autênticas. Pelo mesmo motivo, (...) também pode atrair homens com problemas sexuais, sociais e psicologicamente não resolvidos.” (John Cornwell)

“A rotina regulada dos seminários, com suas preocupações devocionais e uma vida comunitária agradável, totalmente supervisionada, é uma preparação irreal para a vida sem supervisão na solidão gregária experimentada por muitos padres paroquianos, que vivem sós, sem o apoio de um relacionamento significativo.” (John Cornwell)

“Quando me perguntam sobre a estratégia de comunicação do Vaticano, digo que, assim que eu vir algum sinal de sua existência, eu comentarei. A tática deles para lidar com a crise piorou tudo significativamente. [Veja] os comentários públicos que têm sido feitos por outras autoridades eclesiásticas que parecem ter a tendência de meter os pés pelas mãos. Recentemente, [o papa Bento 16] não tem falado muito, e isso é parte do problema: deixar os outros falarem por ele.” (John Allen Jr.)

“É completa a inépcia do Vaticano em relação à comunicação. Pois este papa é a melhor história que eles têm para contar sobre o combate aos abusos sexuais, e deixaram que ele passasse a ser definido como símbolo do problema. Se dependesse de mim, eles [o Vaticano] teriam promovido entrevistas coletivas a cada seis meses só para falar de quantos casos foram levados ao Vaticano e o que foi feito a respeito, o que aconteceu com as reformas que Ratzinger iniciou. Por que eles não fizeram é um mistério.” (John Allen Jr.)

Os dois especialistas, a meu ver, se fundem ao afirmarem que a culpa do que ocorre hoje está na incapacidade do Vaticano e de seus dirigentes em lidar com o problema. E isso acontece tanto na formação dos padres como na comunicação com a sociedade. Antes de ler a entrevista do John Allen Jr. eu não tinha a mínima ideia, por exemplo, de que o papa Bento 16 foi um dos que mais se dispôs a enfrentar o problema dos padres abusadores.

Ou seja, a Igreja convive com esta crise por não saber lidar com ela e pela incapacidade de rever os seus conceitos e revisitar as formas de escolha de novos clérigos, como defende John Cornwell. A tendência é que os casos continuem surgindo, a Igreja continue incapaz de lidar com a problemática ou ainda – o que é pior – coloque a culpa em outras questões, como fez recentemente ao dizer que a homossexualidade é a culpada pela pedofilia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…