Pular para o conteúdo principal

Arruda: a prisão, a lição e ele (bem) longe da política

Após dois meses, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) mandou soltar o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda na noite de ontem. Visivelmente abatido (veja na foto ao lado), Arruda deixou a sede da Polícia Federal acompanhado da esposa e do advogado. Os ministros do STJ entenderam que o ex-governador não tem como influir mais nas investigações, já que não mais ocupa um cargo político.

Pela primeira vez um governador no exercício do mandato havia sido preso no Brasil. Arruda, que está sem partido desde que estourou o escândalo do mensalão no Governo do Distrito Federal no final do ano passado, teve sua prisão decretada pelo STJ depois de se envolver pela segunda vez em um ato de corrupção. Com o objetivo de desacreditar a primeira denúncia, o governador cometeu um novo erro ao tentar subornar um jornalista para que afirmasse que os vídeos que mostram políticos de Brasília recebendo dinheiro de suposta propina foram manipulados.

Errou uma vez, errou duas vezes. A prisão até que durou muito tempo, num país onde atos de corrupção são tão freqüentes e foi útil para mostrar que os muitos corruptos deste país devem ser presos e julgados de acordo com os erros que cometeram. A prisão de Arruda fez crer que é possível o fim da impunidade, que o político corrupto pode ser retirado do âmbito de discussões e de decisões do país.

Agora só temos que esperar o resultado final das investigações e a condenação de Arruda e de outros envolvidos no mensalão do DEM. Ao deputado federal Alberto Fraga, do Distrito Federal, Arruda disse que sua “vida acabou” e que agora sua prioridade é “pensar em como reconstruí-la”.

"Tivemos uma conversa logo após a prisão. Ele acha que errou, tem consciência disso, mas a imprensa criou um quadro de injustiça jamais visto. Tem assaltante, bandido, estupradores soltos e um ex-governador ficou preso 61 dias pela pressão da imprensa", disse Alberto Fraga ao jornal Folha de São Paulo. Tomara mesmo que Arruda tenha consciência do erro e que bom que a imprensa conseguiu deixar preso um corrupto por 61 dias, até porque o crime cometido pelo ex-governador não deixa de ser um assalto aos cofres públicos. Tinha que ficar era mais tempo preso!


Além disso, tomara que Arruda consiga reconstruir sua vida, só que longe da política. Ele não merece uma segunda chance, pois em um período tão curto de tempo errou duas vezes. Em um ano em que se aproxima a oportunidade dos cidadãos brasileiros voltarem mais uma vez às urnas para escolher seus representantes, cabe uma reflexão sobre todas as atitudes dos políticos nestes últimos anos e uma necessidade ainda maior de consciência na hora do voto.

Corrupção e política não podem e não devem mais andar de mãos dadas. Devem estar em lados opostos. Arruda está sendo o primeiro, mas que outros homens públicos como ele, que causam prejuízo ao erário, sejam afastados do poder. O Brasil só se tornará melhor quando o voto se tornar suficientemente forte e correto e o cidadão entender que ele pode definir os rumos do país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erotização da música influi na precocidade sexual da criança

É comum vermos crianças cada vez mais novas cantando e dançando ao som de refrões carregados de sexualidade, utilizando roupas e calçados impróprios para essa fase. As músicas erotizadas se tornam febre entre meninos e meninas em todo o país, mesmo sem muitas vezes terem conhecimento do que estejam ouvindo ou dançando. Mas qual a influência dessas músicas no desenvolvimento da criança? De que modo a letra de uma canção pode influenciar o comportamento infantil?

Para a psicóloga Aline Maciel, músicas de cunho apelativo com letras que tratem de sexo estimulam a iniciação sexual precoce entre meninos e meninas. Segundo ela, “músicas com uma carga sexual muito forte aliadas a coreografias sensuais fazem com que as crianças tenham acesso a elementos que não são adequados a sua faixa etária, induzindo comportamentos inadequados”.

O artigo A música e o Desenvolvimento da Criança, de autoria da Doutora em Educação Monique Andries Nogueira, atesta que a música tem um papel importante nos aspect…

Lambe-sujo e Caboclinhos: a cultura viva

A força de uma cultura se revela na capacidade de agregar, envolver e orgulhar. Em Laranjeiras, isso se concretiza durante a “Festa do Lambe-Sujo”, folguedo sergipano encenado todos os anos no 2º domingo de outubro.


No folguedo, os negros (lambe-sujos) lutam contra a tentativa dos índios (caboclinhos) de destruírem os quilombos.



A partir das imagens captadas pela fotojornalista Ana Lícia Menezes é possível perceber o quão forte é a cultura local e a crença no folguedo. Carregado de simbolismo, o folguedo envolve crianças, jovens e adultos, que se apossam da história da terra para se divertir, se alegrar e manter viva a cultura.

Logo cedo, os lambe-sujos se espalham pela cidade, desde a entrada até a praça central de Laranjeiras. Assim, demarcam território e mostram que estão prontos para o combate. Em maioria, os lambe-sujos também ocupam a área próxima à igreja, onde recebem a benção do padre, antes de iniciar os embates.



Fortalecidos pela oração e crentes em sua fé, os lambe-sujos estã…

Um olhar para 2008

“Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no
limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e
entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra
diante vai ser diferente."
(Carlos Drummond de Andrade)


Recebi esse texto ontem pelo orkut como parte de uma mensagem de felicitações pelo novo ano que está por iniciar e me pus a pensar na verdade que ele transmite.

Todos temos a necessidade de ver nossas esperanças e sonhos sendo renovados. Todo indivíduo precisa planejar, desejar, acreditar. Planejar uma vida diferente, o início de um novo projeto. Desejar ascensão profissional, aprovação no vestibular ou em um concurso público. Acreditar em novo amor, em um novo tempo. Acreditar no fim da violência, na prevalescência do amor e da paz sobre toda a Terra, por mais que isso pareça utóp…